Netaudioberlin 2007 [por/bra]

taken from: http://remixtures.com, edited & revised

Ao terceiro ano de existência, o Festival de Netaudio chega a Berlim. De 5 a 7 de Outubro irá congregar-se na cidade alemã um autêntico “Who’s Who da cena internacional de netlabels”, prometem os organizadores.

Para além das inevitáveis actuações ao vivo – sobretudo de música electrónica de dança, mas não só… -, o evento irá incluir conferências, workshops, debates sobre a cultura livre em geral e o movimento do netaudio.

No momento, as inscrições (booking) para os artistas, produtores e para os projetos visuais de netaudio estão fechadas. Contamos com a participação de mais de 20 Netlabels de vários países – que irão apresentar mais de 30 artistas. Atualmente estamos trabalhando com a lista final (linup) dos artistas que será divulgada nos próximos dias.

A iniciativa partiu de alguns dos selos mais emblemáticos da cena europeia:

Pentagonik [Berlim]
Pulsar Records [Berlim | Londres]
Idealtechno [Berlim]
No Response [Hamburgo]
Runsounds [Londres]
After-Dinner [Londres]
Yuki Yaki [Berlim]
DeepInDub [Venedig]
i.deology [Köln]

Actualmente, a maior parte do conteúdo no site do Netaudio.07 está ainda em alemão, mas podem obter mais informação em inglês aqui. Uma vez que Berlim é talvez a cidade europeia com o maior número de netlabels (16 no total!), seria natural que o Festival de Netaudio chegasse mais cedo ou mais tarde ali. Em 2005 decorreram duas edições: uma em Berna e outra em Köln (Alemanha).

No ano passado foi a vez de Londres. Essa terceira edição foi um verdadeiro “sucesso” em termos comparativos com outras iniciativas anteriores de netaudio: 900 visitantes, cerca de seis mil participantes online, 55 artistas, com direito a patrocínio da produtora de software de composição de música Ableton e cobertura jornalística pela BBC, Guardian, The Wire e Time Out. Esperemos que este ano em Berlim os números sejam ainda maiores e sobretudo que haja mais artistas de outros estilos musicais para além da electrónica mais convencional, feita em laptops. Porque a música livre não conhece fronteiras! (via Netzpolitik)

Leave a Reply